quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Correntes

sei o que quero e o que não quero
sei para onde quero ir, e para onde não quero ir
sei o que sou e porque o sou
mas no meio de tanta certeza tenho dúvidas

entre minutos, horas e dias aguardo
aguardo que a minha incerteza acabe
aguardo um bafo de lucidez
anseio por uma lufada de certeza

questiono-me se a encontrarei
se ela me encontrará
se nos encontraremos

ainda não consigo não necessitar dela
sinto-me aprisionada
aprisionada a grossas correntes
pedaços de metal fundido com laços de convicção

Sem comentários:

Enviar um comentário