quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Sem Abrigo

Quebra
o frio com as mãos
apertadas, um laço
que resiste
na cara da morte
Quebra
o gelo no amor
oculto entre um jardim
aperta as mãos
em cacho
fechado sobre as gretas
que restam aos dedos
sulcos
que um dia ficaram
sem trabalho.

Autor J.T. Parreira

Sem comentários:

Enviar um comentário