domingo, 30 de maio de 2010

Desistir

"Uma única vida é pouco. O rosto é demasiado rápido a mudar nas fotografias. As crianças imaginam tantas coisas acerca do mundo e, mais tarde, percebem que não conseguiram imaginar aquilo que era mais importante. Ainda crianças e já quase adultos, ainda levados por miragens e, no entanto, com a certeza absoluta de que não acreditam em nada, surpreendem-se com os braços que cresceram no espelho, com os truques que são capazes de fazer de olhos fechados, com os cigarros que começam a arder-lhes na ponta dos dedos e, arrogantes ingénuos, desejam que o tempo passe mais depressa, desejam que os anos passem mais depressa. Depois, a idade não conta. A idade não conta, mas um dia têm trinta anos, têm quarenta anos, um dia têm cinquenta anos. Os números deixam de ser números. Então, esqueceram tantas coisas e, no entanto, têm a certeza absoluta de que sabem tudo. Ridículos. Entretanto, apaixonaram-se e desapaixonaram-se; saltaram por cima de momentos que foram como abismos; existiu a casa; existiram todos os objectos da casa, divididos e arrumados em caixas de papelão; existiu a mágoa como se fosse o mundo inteiro, não era; existiram as pessoas que morreram mesmo ao lado, que pareciam eternas e que, devagar ou num instante, foram esquecidas, fácil; existiram as pessoas que estavam mesmo ao lado e que receberam telefonemas para comunicar-lhes que a mãe tinha morrido num hospital; e repetiram a vida continua, a vida continua; e o verão e o verão e o outono, a primavera, tão bom, e o verão, o outono, e o inverno e o inverno. Um dia, acordam e o passado não é suficiente sequer para lhes encher a palma de uma mão."...

blogue de José Luís Peixoto

Hoje foi dia de abraçar o mar

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Amores de papel

Cheguei a casa com as tuas flores de papel presas no coração. Escolhi uma jarra antiga, e plantei-as na sala onde descanso, sonho e trabalho. As tuas flores são enormes, generosas, simpáticas e guardam o teu perfume. Sempre que passo por elas, o teu cheiro entra pelo meu corpo e enche-me de bem estar. É sempre cheia de bem estar que me sinto quando penso em ti, na tua alegria, generosidade e beleza, mesmo que o nosso amor seja feito de papel como estas flores.
Não precisamos de o regar todos os dias, nem de adubos, nem cortar os caules. Nem sequer precisamos de água, o nosso amor é quase imaterial, tu aí e eu aqui, milhares de quilómetros por terra e duas horas e meia de voo.

Quando te vejo, o meu amor desenhado no papel torna-se real, ganha vida, cor, textura e cheiro e somos só um na mesma casa, siameses a passear na rua, gémeos a conversar, namorados a dormir. A nossa vida enche-se com a do outro e tudo o que desejamos é que o outro esteja tão feliz como nós. Depois, quando me separo, já não choro. Sei que o que pode acontecer é um mistério da existência e quanto menos planear, mais sorte vou ter. Demoro alguns dias a descer à terra, vou ao supermercado e encho o frigorífico para disfarçar o vazio no coração e escrevo muito, porque enquanto escrevo é como se aqui estivesses ao meu lado, gémeos a dormir e namorados a conversar, a lareira acesa e a paz de uma continuidade sonhada, porém possível.

É um amor de papel, frágil e opaco, leve e branco, feito de ideias, de sonhos, de esperança e de muitas cores. Um amor sem planos nem projectos, quase adolescente, intenso, puro e perfeito, que não precisa de provas nem palavras.
O amor é um acto de fé, uma manifestação de esperança. É como plantar uma semente. Por isso, a última vez que te fui visitar, também trouxe uma caixa de bolbos para plantar no meu jardim. Estou atrasada porque o Inverno já começou, mas pode ser que tenha sorte e na Primavera a minha entrada em casa seja um festival de cores e aromas. Algumas flores vão morrer, outras vão ser mais pequenas, mas sei que as mais fortes vão vencer o frio e germinar com grande beleza e generosidade. E sei também que por esses dias te vou ver por aqui, a ensinar-me a cuidar delas, tu que cuidas do meu coração melhor do que ninguém e nem sequer sabes.

O nosso amor é de papel, como as flores que me deste e no papel há-de ficar, para sempre escrito nas minhas palavras. E se um dia se transformar em qualquer outra coisa, será sempre numa outra forma de amor, porque o papel vem das árvores, mas o amor vem do amor e nunca morre, mesmo depois de cortado, prensado e transformado, porque amor é como plantar um semente e tu já plantaste a tua no meu coração.
 
Texto de Margarida Rebelo Pinto in http://margarida.clix.pt/

Para ti...

Obrigada


* foto de Natalia Rust

Vida

 A vida é uma pedra de amolar: desgasta-nos ou afia-nos, conforme o metal de que somos feitos.

(George Bernard Shaw)


Rumo sem rumo

 Passo a passo saio de mim
Rumo sem rumo
Procuro caminhos, sem mapa

Passo a passo caio no abismo
Não percebo como, nem porquê
Quero aprender a voar



* foto de João Manuel Padilha Ferreira Fernandes

Saco cheio, saco vazio

Cada um de nós carrega o seu próprio saco, umas vezes mais cheio e outras mais vazio sendo que a dosagem de cada um dos ingredientes nem sempre é a melhor.

Hoje o meu saco está cheio de impaciência e sensibilidade.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Ser Poeta

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!


É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim ...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente ...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!
 

Florbela Espanca

Yes, we can!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Insólitos

Imaginem um dia em que planeiam e estão determinados a fazer algo mas depois... fazem outra completamente diferente. Hoje foi assim!

Cheguei a casa com uma energia tão grande que me deu para mudar os móveis todos de sitio.

Detesto monotonia!

Olhares


* foto de João Monteiro

domingo, 23 de maio de 2010

Gosto delas

Assim...


E assim...




Amigos

A amizade é um amor que não se comunica pelos sentidos

Por esta Solidão, que não Consente


Por esta solidão, que não consente
Nem do sol, nem da lua a claridade,
Ralado o peito pela saudade
Dou mil gemidos a Marília ausente:

De seus crimes a mancha inda recente
Lava Amor, e triunfa da verdade;
A beleza, apesar da falsidade,
Me ocupa o coração, me ocupa a mente:

Lembram-me aqueles olhos tentadores,
Aquelas mãos, aquele riso, aquela
Boca suave, que respira amores...

Ah! Trazei-me, ilusões, a ingrata, a bela!
Pintai-me vós, oh sonhos, entre as flores
Suspirando outra vez nos braços dela!



Bocage, in 'Rimas'

sábado, 22 de maio de 2010

Lugares mágicos

Quem não gostaria de passar uns dias num local mágico como este







E o corpo dança ao som de...

Vincere


Sempre gostei de cinema italiano e por esse motivo assisti ao primeiro filme da 8 1/2 Festa do Cinema Italiano - designação curiosa 8 1/2
Não me recordo de nos últimos tempos ter visto um filme tão bom como Vincere (Viver) de Marco Bellocchio.

VINCERE
MARCO BELLOCCHIO Itália// 2009 // 128’

Para Ida Dalser, Mussolini é um herói. Por ele vende tudo e financia a fundação Popolo d’Italia, jornal do futuro Partido Fascista. Ao alistar-se para a guerra, Mussolini desaparece da sua vida. Ida voltará a encontrá-lo num hospital militar acompanhado pela esposa Rachele, que revindica ser a sua verdadeira mulher e ter um filho dele. Afastada à força, Ida será levada para um manicómio de onde nunca mais voltará a sair, nem irá ver o seu filho, que terá a mesma sorte de ter uma existência cancelada. 

Com: Filippo Timi, Giovanna Mezzogiorno, Fausto Russo Alesi, Michela Cescon, Pier Giorgio Bellocchio.
Em “Vincere” Marco Bellocchio revela as desonras que podem marcar a vida de um vencedor e apresenta-nos uma senhora coerente até à morte, incapaz de aceitar compromissos e oportunismos.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

With me

A sós!

SOLIDÃO NÃO É ESTAR SOZINHA,
É ESTAR ENTRE MIL PESSOAS,
E SENTIR FALTA DE UMA...


O presente

Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
Se os olhares se cruzarem e, neste momento,houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.
Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR.

Carlos Drummond de Andrade

Pedras no caminho

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e que posso evitar que ela vá a falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas.
Um dia vou construir um castelo..."

(Fernando Pessoa)

Perder...

"Perder alguém é como tirar o quadro de uma moldura que continua pendurada na parede.
É como ver uma janela que já não abre mas por onde nos debruçámos tantas vezes.
É como uma peça que falta no puzzle do nosso ser, do nosso crescimento.

Perder alguém é um abanar da nossa estrutura, é abrir rachas.
É como um apagar de luzes num caminho aberto ao céu.
É como um sentimento que já não se sente.
É uma irracionalidade, uma loucura, uma estupefacção, uma derrota, uma decepção.

Perder alguém é uma pergunta a Deus, mesmo quando n´Ele não se acredita.
É como uma vitória das trevas, uma derrota do Bem.
Uma baixa na batalha da vida, que se baptiza de estúpida e porca.
Uma dúvida sobre a sobrevivência.

Perder alguém é uma lágrima, um choro, um oceano de dor e de grito.
É como um mar calmo onde se precisa de vento.
É o lembrar da nossa vida, do que fizemos e fazemos.
Dos que amamos e rejeitamos. Até dos que ignoramos.

Perder alguém é perdermos um pouco de nós.
É aprender do modo mais duro.
É escolher entre o lamento e o crescer.
É ver em cada momento pedaços onde vive esse alguém.
É ouvir um sussurro que nos diz : Vive ! "

Autor desconhecido

Objectivas...


Autor(a) Alexander Kharlamov

Perguntas e respostas

"en dehors"

Não sei a razão que me levou a fazer aulas de dança contemporânea, não sei o que esperava, mas o resultado é visível todas as semanas... dores musculares em sítios que nem sabia que tinha músculos e principalmente nódoas negras, muitas nódoas negras.



Quem não saiba desta nova aventura e veja as nódoas negras que tenho nas pernas ainda pensará que estou a ser vítima de violência física ou que tenho uns fetiches muito estranhos.

Não sou boa bailarina, mas gosto de fingir que sou!
Tenho que confessar que nalguns momentos já me senti um elefante a tentar dançar em pontas. Confesso isto mas também confesso que gosto do desafio. Entre pés em 1ª posição, battements, pliés e outros tantos termos que ainda não fixei o meu corpo tenta moldar-se a esta nova experiência e gozar ao máximo cada minuto.

Não é fácil e por vezes é desmotivante. Hoje foi um dia assim, estive quase a desistir e ficar quietinha a um canto da sala.
Os meus joelhos já não aguentavam mais! Entre rebolar no chão, o levanta e o cai, o vira para a esquerda e para a direita as dores começaram a quebrar-me. Lá diz o ditado "não há mal que sempre dure, nem dor que não acabe" por isso mesmo para a próxima semana...

terça-feira, 18 de maio de 2010

SIM/NÃO

Sim a
 dias de sol
 longos abraços
 tardes de praia
 amigos verdadeiros
 momentos de boa leitura
 familias grandes e unidas
 viver um grande amor
 crepes com gelado e chocolate quente
 brincadeiras de crianças
 chorar de tanto rir
 saborear o silêncio

Não a
 invernos frios e chuvosos
 traição e cobardia
 maus tratos fisicos e psicológicos
 torresmos e cerveja
 doces muito doces
 salgados muito salgados
 sorrisos falsos
 pele de cobra
 risos forçados
 olhos sem alma
 

7 Life Changing Lessons Learned From Walt Disney

  1. Keep Things in Perspective
  2. Competition is Good
  3. Do what you love 
  4. Do the impossible 
  5. Action always trumps inaction 
  6. It takes a village
  7. Get better daily

7 Life Changing Lessons Learned From Walt Disney - by Dumb Little Man

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Este fim de semana vai ser assim...

...muita música e muita dança


Roubar aos ricos para dar aos pobres

Tenho que confessar que não esperava muito apesar dos grandes nomes que nele figuram mas conseguiram surpreeender-me.

A parte da lenda de Robin Hood que ainda não nos tinham mostrado.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Be happy!

Mesa de cabeceira

Conheço a história mas nunca a li.
Esta semana encontrei-o numa visita à Fnac e ainda por cima em promoção, coisa rara em livros impressos noutra que não a língua de Camões, e não resisti a compra-lo.
Já folheio as suas páginas.


Yourself

Dava tudo, ou quase, por...

Se fosse Natal...

...escrevia uma carta ao Pai Natal e pediria uns destes




São lindos não são?

Infelizmente o Natal está um pouco longe pelo que os meus lindos pézinhos terão que continuar a dançar sem um par de sapatinhos novos.

terça-feira, 11 de maio de 2010

a..b...c...d...e...f...g...h...

i... incapaz de escrever o que me vai na alma
j...
k...
l...
m...
n...
o...
p...
q...
r...
s... sem caneta capaz de interpretar as minhas ideias
...z

Escolhas

- Mestre, como faço para me tornar um sábio?
- Boas escolhas.

-Mas como fazer boas escolhas?
- Experiência - diz o mestre.

- E como adquirir experiência, mestre?
- Más escolhas...

Há palavras que nos beijam


Alexandre O'Neill 
Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.

Não me canso de os ouvir

Difficult

"It is not because things are difficult that we do not dare, it is because we do not dare that they are difficult."

Séneca

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Voa borboleta voa

Gosto delas, as borboletas, e gosto que venham ao meu jardim. Jardim que em tempos esteve murcho, sem vida nem flôr. O tempo, a paciência e o crescimento ajudaram-me a cuidar dele. Voltei a plantar e juntei novas espécies às que já o tinham decorado. Plantei, reguei e vitaminei, fiz dele um reino de flores lindas e coloridas. Como em qualquer jardim por vezes existem pequenas ervas daninhas que devem ser retiradas com carinho e paciência.



Todos os jardins esperam por borboletas e o meu não é excepção. Gosto de borboletas mas creio que as minhas favoritas são uma espécie em vias de extinção. Não quero borboletas que hoje poisam no meu jardim e amanhã em jardim alheio. Quero uma borboleta disposta a descobrir e a cuidar cada flôr do meu jardim, e sem medo de ervas daninhas. Uma borboleta que não desista aos primeiros ventos e às primeiras chuvas.

Lágrimas

Chorei ao ler as palavras que escreveste,
Chorei de emoção
Chorei por conseguir imaginar o que terás sentido
Chorei ao relembrar o medo que tive de perder o meu, ainda há pouco tempo
Chorei de gratidão pelo que sou e pelo que tenho

Gosto da maneira como escreves, da emoção que brotam de cada palavra, do humor intrínseco ao teu discurso
Escreve que eu lerei

Tempo de Animação

Palavras de um grande Senhor

“Se há coisa que costumo dizer é:

Aproveitem a vida e ajudem-se uns aos outros

Apreciem cada momento, agradeçam

E não deixem nada por dizer, nada por fazer”

António Feio

Que excelente versão

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Pequenos grandes conselhos...

1. Deite fora os números que não são essenciais. Isto inclui a idade, o peso e a altura. Deixe que os médicos se preocupem com isso. Afinal, é para isso que lhes paga!

2. Mantenha só os amigos divertidos. Os depressivos arrastam-nos para baixo. (Lembre-se disto se for um desses depressivos!)

3. Aprenda sempre: Aprenda mais sobre computadores, artes, jardinagem, o que quer que seja. Não deixe que o cérebro se torne preguiçoso. "Uma mente preguiçosa é trabalho do diabo." E o nome do diabo é Alzheimer!

4. Aprecie as mais pequenas coisas

5. Ria muitas vezes, durante muito tempo e alto. Ria até lhe faltar o ar. E se tiver um amigo que o faça rir, passe muito e muito tempo com ele/ela!

6. Quando as lágrimas aparecerem Aguente, sofra e ultrapasse. A única pessoa que fica connosco toda a nossa vida somos nós próprios. VIVA enquanto estiver vivo.

7. Rodeie-se das coisas que ama: Quer seja a família, animais, plantas, hobbies, o que quer que seja. O seu lar é o seu refúgio.

8. Tome cuidado com a sua saúde: Se é boa, mantenha-a. Se é instável, melhore-a. Se não a consegue melhorar, procure ajuda.

9. Não faça viagens de culpa. Faça uma viagem ao centro comercial, até a um país diferente, mas NÃO para onde estiver a culpa.

10. Diga às pessoas que ama que as ama a cada oportunidade



If...

If you like me
Tell Me

If you miss me
Show it

If you love me
Prove it

Writer

The role of a writer is not to say what we all can say, but what we are unable to say.
 
Anaïs Nin

One kiss

One kiss is all I want
To take away my tears
And give me a healthy smile

One kiss is all I want
To give me hope
And take on life as it comes

One kiss is all I want
To know your lips
And hold them forever

One kiss is all I want
To show you I love you
And be there for eternity

by Gary R. Hess

Acreditar

Gostaria de acreditar que um dia...



Riscos e rabiscos

A tela da vida vem em branco e a nós cabe-nos a tarefa de imprimir a nossa história
História feita de momentos tristes e alegres, de relatos triviais e invulgares
História feita de histórias, de percursos, de escolhas, de alegrias, de tristezas
Riscos e rabiscos de pedaços de cada um
Traços de vida e de morte, de alegria e de tristeza
Pinceladas de ser, viver e amar


*imagem de Lupevision

terça-feira, 4 de maio de 2010

Tentação





*Obrigada S pelo link

Viver

A vida é muito curta, quebra as regras e apaixona-te, beija demoradamente, ama verdadeiramente, ri incontrolavelmente e nunca deixes de sorrir, por mais estranho ou pequeno que seja o motivo.

A vida não pode ser a festa que esperávamos que fosse todos os dias, mas enquanto estamos aqui, devemos procurar dançar sempre que pudermos!!!...

Se formos esperar somente aqueles momentos mágicos, grandiosos e super raros, desperdiçaremos a capacidade de nos alegrarmos com as pequenas coisas do dia-a-dia, a felicidade parecerá algo tão distante e raro que parecerá dificil alcançar.