quarta-feira, 30 de junho de 2010

Ela veio...

Just write it...

Alentejanices

Recebi este texto de um amigo e achei tanta graça que resolvi partilhá-lo. Não fosse eu descendente de alentejanos!

"A RAÇA DO ALENTEJANO

Como é um alentejano?
É, assim, a modos que atravessado.
Nem é bem branco, nem preto, nem castanho, nem amarelo, nem vermelho....
E também não é bem judeu, nem bem cigano.
Como é que hei-de explicar?
É uma mistura disto tudo com uma pinga de azeite e uma côdea de pão.

Dos amarelos, herdámos a filosofia oriental, a paciência de chinês e aquela paz interior do tipo "não há nada que me chateie";
dos pretos, o gosto pela savana, por não fazer nada e pelos prazeres da vida;
dos judeus, o humor cáustico e refinado e as anedotas curtas e autobiográficas;
dos árabes, a pele curtida pelo sol do deserto e esse jeito especial de nos escarrancharmos nos camelos;
dos ciganos, a esperteza de enganar os outros, convencendo-os de que são eles que nos estão a enganar a nós;
dos brancos, o olhar intelectual de carneiro mal morto;
e dos vermelhos, essa grande maluqueira de sermos todos iguais.

O alentejano, como se vê, mais do que uma raça pura, é uma raça apurada.
Ou melhor, uma caldeirada feita com os melhores ingredientes de cada uma das raças.
Não é fácil fazer um alentejano.
Por isso, há tão poucos.

É certo que os judeus são o povo eleito de Deus.
Mas os alentejanos têm uma enorme vantagem sobre os judeus:
nunca foram eleitos por ninguém, o que é o melhor certificado da sua qualidade.

Conhecem, por acaso, alguém que preste que já tenha sido eleito para alguma coisa?
Até o próprio Milton Friedman reconhece isso quando afirma que
«as qualidades necessárias para ser eleito são quase sempre o contrário das que se exigem para bem governar».
E já imaginaram o que seria o mundo governado por um alentejano?

Era um descanso..."

Festejar

Há vários anos que não festejo o aniversário, ou melhor festejo de uma forma singela em família, mas este ano decidi juntar algumas das pessoas que são importantes para mim e festejar muito mais que um aniversário.

Festejar a vida, a amizade e o amor.
Festejar ser quem sou
Festejar ter o que tenho

Festejar e agradecer

Ter ou não ter, eis a questão!

Não tenho tudo o que gosto mas gosto de tudo o que tenho

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Dias de alma vazia

Esqueço-me de comer, de beber, de sorrir… de viver.
Esqueço-me de mim sob a cama, sem espaço de recosto, à espera de… ninguém.
Por vezes esqueço de me olhar ao espelho, de me ver as entranhas, de procurar o que habita no meu interior.
Tenho-me esquecido de me procurar, lá onde estou, aqui onde devia estar, em algum lugar para onde fosse melhor viajar.
Por vezes dou por mim esquecida na multidão,
Por vezes encontro o meu corpo que se arrasta nos dias de alma vazia que passam,
Mascaro-me de sorrisos que se apagam num virar de costas,
Pinto a alma de encarnado… e vou inventando os dias.
Por vezes esqueço-me…




* Texto e Imagem de Irene Moreira de Abreu

Os meus cliques (3)

Os meus cliques (2)

Os meus cliques (1)

domingo, 27 de junho de 2010

Véu e grinalda

"Era uma vez um príncipe e uma princesa que casaram e foram muito felizes." - A forma como a maioria das pessoas é educada a interpretar o amor, como uma história feliz e duradoura.

Este fim-de-semana foi de casamento, mas não o meu.

Os meus votos que os noivos vivam felizes para sempre, que se amem na alegria e na tristeza, na saúde e na doença; que sejam companheiros e amigos da vida e para a vida.

Parabéns

terça-feira, 22 de junho de 2010

A rolha

tenho uma rolha no gargalo da minha caneta
uso o saca rolhas da imaginação em vão
terá raízes?

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Maria precisa-se

Chamei pela Maria mas ela não me respondeu.
Voltei a chamar e novamente fiquei sem resposta.
Depois lembrei-me, a Maria sou eu.

domingo, 20 de junho de 2010

Se não fosse o que sou seria...

Introspecções

Dei por mim a pensar que gostaria de me voltar a cruzar contigo. Não sei quem és, como te chamas ou do que gostas. Sei que gostaste de mim e eu ignorei-te. Se uma parte de mim gostou de sentir o teu olhar, outra sentiu-se pequena, tímida e medrosa. Não sei lidar com estas situações por falta de experiência, por preconceito e até por insegurança.

Tenho que abrir os meus horizontes, perder os medos e inseguranças e acreditar.
Acreditar e amar.
Amar-me.
Mimar-me.
E sentir que sou e valho muito mais do que sinto sou.

Nonsense - always

sexta-feira, 18 de junho de 2010

El Secreto de Sus Ojos

Justo merecedor do Oscar para melhor filme estrangeiro, um hino ao amor, à amizade e à justiça.

Excelentes momentos dramáticos e de humor. A não perder

quarta-feira, 16 de junho de 2010

No Turbilhão

No meu sonho desfilam as visões,
Espectros dos meus próprios pensamentos,
Como um bando levado pelos ventos,
arrebatado em vastos turbillhões...

Num espiral, de estranhas contorções,
E donde saem gritos e lamentos,
Vejo-os passar, em grupos nevoentos,
Distingo-lhes, a espaços, as feições...

-Fantasmas de mim mesmo e da minha alma,
Que me fitais com formidável calma,
Levados na onda turva do escarcéu,

Quem sois vós, meus irmãos e meus algozes?
Quem sois, visões misérrimas e atrozes?
Ai de mim! ai de mim! e quem sou eu?!...

Antero de Quental

A menina dança?

Contrariedades

Não sei
Não sinto
Não quero
Não consigo
Não sou
Não gosto
Não, não, não

Sim sei
Sim sinto
Sim quero
Sim consigo
Sim sou
Sim gosto.
Sim, sim, SIM

terça-feira, 15 de junho de 2010

Obstáculos

Se alguém hoje lhe bloquear a porta, não gaste sua energia com confronto, procure as janelas.


Lembre-se da sabedoria da água:
'Ela nunca discute com seus obstáculos, ela simplesmente os contorna'

 

Tristeza

O abatimento é simplesmente o desespero de um amor-próprio ferido.
 
François de Fénelon

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Phenomenal Woman (by Maya Angelou)

Pretty women wonder where my secret lies.
I'm not cute or built to suit a fashion model's size
But when I start to tell them,
They think I'm telling lies.
I say,
It's in the reach of my arms
The span of my hips,
The stride of my step,
The curl of my lips.
I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.

I walk into a room
Just as cool as you please,
And to a man,
The fellows stand or
Fall down on their knees.
Then they swarm around me,
A hive of honey bees.
I say,
It's the fire in my eyes,
And the flash of my teeth,
The swing in my waist,
And the joy in my feet.
I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.

Men themselves have wondered
What they see in me.
They try so much
But they can't touch
My inner mystery.
When I try to show them
They say they still can't see.
I say,
It's in the arch of my back,
The sun of my smile,
The ride of my breasts,
The grace of my style.
I'm a woman

Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.

Now you understand
Just why my head's not bowed.
I don't shout or jump about
Or have to talk real loud.
When you see me passing
It ought to make you proud.
I say,
It's in the click of my heels,
The bend of my hair,
the palm of my hand,
The need of my care,
'Cause I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.

Foi bom mas já acabou!

sexta-feira, 4 de junho de 2010

E se...

...alguém te dissesse que chegara a hora de fazer as malas o que dirias?

- Yes, chegaram as férias.

Saudades

... de me mimar!

Sou

Sou como um pêndulo
Igual ao do carrilhão da minha avó
Para lá e para cá
Para cá e para lá...
E no preciso momento
Naquele segmento de tempo
Que medeia o vaivém
É precisamente ali que sou alguém.
Não sou nem triste nem alegre
Nem forte nem fraco
Nem mau nem bom
Nem fiel nem infiel
Nem presente nem ausente
Não estou nem cá nem lá
Estou ali, no meio, naquele instante.
Às vezes paro ali no tempo
Até que um impulso externo
Me devolve o movimento.
E assim levo a vida:
Atribulada na ida
Serena na volta.

autor Joaquim Marques


quarta-feira, 2 de junho de 2010

UM DIA...

Um dia a maioria de nós irá separar-se.
Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora,
das descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos,
dos tantos risos e momentos que partilhamos.
Saudades até dos momentos de lágrimas, da angústia, das
vésperas dos finais de semana, dos finais de ano, enfim...
do companheirismo vivido.

Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre.
Hoje não tenho mais tanta certeza disso.
Em breve cada um vai para seu lado, seja
pelo destino ou por algum
desentendimento, segue a sua vida.
Talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... nas cartas
que trocaremos.
Podemos falar ao telefone e dizer algumas tolices...
Aí, os dias vão passar, meses... anos... até este contacto
se tornar cada vez mais raro.
Vamo-nos perder no tempo...

Um dia os nossos filhos verão as nossas fotografias e
perguntarão:
"Quem são aquelas pessoas?"
Diremos... que eram nossos amigos e... isso vai doer tanto!
-"Foram meus amigos, foi com eles que vivi tantos bons
anos da minha vida!"
A saudade vai apertar bem dentro do peito.
Vai dar vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente...
Quando o nosso grupo estiver incompleto...
reunir-nos-emos para um último adeus de um amigo.
E, entre lágrima abraçar-nos-emos.
Então faremos promessas de nos encontrar mais vezes
daquele dia em diante.
Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a
sua vida isolada do passado.
E perder-nos-emos no tempo...
 
Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não
deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de
grandes tempestades...
Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem
morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem
todos os meus amigos!" 

(Fernando Pessoa)

* foto de Nuno Duarte

terça-feira, 1 de junho de 2010

Meninice

Mimo-a com gestos de ingenuidade e, por vezes, dou-lhe momentos de protagonismo nos quais ri de tudo e de nada e vive intensamente, sem preocupações nem preconceitos.
Lamento não poder interpretar o meu papel na peça da Vida sempre com as suas deixas, com o seu argumento singelo em palavras mas rico em emoções.

Tenho uma dentro de mim e faço questão de nunca me esquecer disso.
Adoro ser criança.

Ser criança (2)

"Todas as grandes personagens começaram por serem crianças, mas poucas se recordam disso." 
 Antoine De Saint Exupery

I really wanna...

Ser criança

Ser criança
Não é somente ter pouca idade

É sim esquecer a idade física
A verdadeira idade está na mente
E no que se sente.

Ser criança
É perseguir a felicidade
Sem se importar com a idade.

É esquecer um pouco das responsabilidades
Sem contudo ser irresponsável.

É viver intensamente o presente
Não viver condicionado ao futuro
Nem ruminando o passado

É amar intensamente
E viver essa paixão sem precedentes

É sempre sorrir
Sempre estar aberto para o novo

Ser criança
É nascer de novo a cada dia..

Autor desconhecido

Clave de sol

Do...ce
Re...al
Mi...mo
Fa...cil
Sol...idez
La...grima
Si...mples
Do...r

Estas são as notas musicais do amor