terça-feira, 26 de março de 2013

Metades


Somos o que comemos

O alimento é mais que uma necessidade básica é um prazer que me permite viajar até sensações conhecidas ou ir à aventura de novos paladares, cores e cheiros.
Um dos grandes prazeres é comer bem, e de preferência numa mesa cheia de gente divertida e boa onda.

“Comer bem é comer de tudo um pouco, encontrar harmonia entre quantidade e qualidade podendo preencher satisfatoriamente as necessidades biológicas de nutrientes, bem como as psicológicas e sociais ligadas à alimentação. A nutrição deve ser vista como um caminho para melhorar sua qualidade de vida e não como um bem necessário à saúde, felicidade e realização. 
Assim sendo, comer bem significa ter prazer em se alimentar e ao mesmo tempo satisfazer as necessidades do organismo para viver mais e melhor.”
Alfredo Halpern, endocrinologista e professor Faculdade de Medicina de São Paulo
 

Gostaria de te dizer adeus...


...mas não vais embora e atormentas os nossos dias e as nossas noites.
Não achas que já chega?



Possessão

Pequenos prazeres

Senti
o cheiro das palavras,
o sabor de cada letra,
a doçura de cada vírgula,
a acidez de cada ponto.

Deambulei pelos parágrafos,
Saltitei entre parábolas e metáforas,
Atravessei eufemismos e hipérboles,
Deslizei sobre onomatopeias e paradoxos.

Tudo isto para chegar ao FIM.










Karma

Silêncio...

Pedaços de Sabedoria

'Algum dia tudo fará sentido. Enquanto isso, ria da confusão, chore pouco, e entenda que tudo acontece por alguma razão.'


Paulo Coelho





segunda-feira, 18 de março de 2013

Vidas passadas!!

Há dias que tenho tanta, tanta, tanta vontade de ficar na cama que penso que em vidas passadas devo ter sido...

...um colchão!!

Encontros escaldantes

Procrastino cada um dos nossos encontros, vejo-te como uma obrigação e não como um prazer. Sei que mudando a percepção que tenho de ti passaria a ter prazer e não dor em cada um dos nossos encontros. Tento distrair-me com tudo o que posso sempre que estou na tua companhia, a TV, a rádio, a internet, o telemóvel. É mais forte que eu. Automatizados que estão cada um dos meus movimentos abstraio-me e viajo para longe do meu corpo.


Deveria ser mais disciplinada, deveria encontrar-te com mais frequência para não ser tão penoso cada minuto que passamos juntos, ainda não consegui meu querido ferro de engomar.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Gosto de…

tardes frias e chuvosas ao calor da lareira,
bons petiscos em boa companhia,
abraços apertados e sentidos,
beijos doces e apaixonados,
dançar até me doerem os pés,
boa disposição e sentido de humor,
livros com estórias que me fazem viajar,
ondas do mar a tocarem a minha pele,
calor do sol a acariciar o meu corpo,
passeios longos na natureza,
aprender e alargar os meus horizontes,
conhecer novas pessoas, culturas e lugares.

Gosto de tanto e de tão pouco.
Gosto de mim. Gosto de ti.



Requintes de malvadez

Hoje dedico tempo a abordar outra patologia extremamente frequente, grave e perigosa na sociedade de hoje, a “insegurite” aguda.

Pior que uma pessoa insegura, mas mesmo muito pior, é alguém que sofre de “insegurite” aguda. Os sintomas da segunda são quase idênticos aos da primeira, no entanto quem sofre desta doença, a aguda, junta um requinto de malvadez, por vezes jamais visto, aos sintomas típicos da primeira.

Não obstante a mesma origem os sintomas são antagónicos, se a primeira é associada a comportamentos calmos, tímidos, introvertidos, a segunda, pelo contrário, é associada a comportamentos agressivos, mal-educados, inoportunos e com requintes de malvadez profissionais.

É urgente a criação de um antídoto para este vírus agudo, muito urgente mesmo.



E depois do Adeus!

Não queria acreditar que partiras.
Cedo demais!
Cedo demais!


Nunca há tempo certo para as partidas mas quando não estivémos por cá tempo suficiente para dizermos que tivemos uma longa vida é sempre cedo.

Fica tanto por dizer, tanto por fazer, tanto por sentir, tanto por viver.
Vai tudo, tudo o que se disse, tudo o que se fez, tudo o que se sentiu, tudo o que se viveu.

Parecia um filme, uma estória.
Mas afinal não era!!




quarta-feira, 13 de março de 2013

Inspira, expira, relaxa

Ando preocupada, sem que a mesma seja uma pré-ocupação.
Creio que cada vez mais portugueses sofrem de uma patologia grave, muito grave mesmo, "complicometrite". Já pensei até que poderá haver uma epidemia pelo número crescente de casos com os quais tenho lidado.
É preocupante, frustrante e muitas mais palavras acabadas em ante o quão difícil possa ser a relação com alguém afectado por tal doença. Somos literalmente abalrroados por uma panóplia de pseudo-argumentos que baralham, voltam a dar, baralham novamente para no final voltarmos ao mesmo.


A expressão "keep it simple", devidamente traduzida para a língua de Camões, deveria ter honra de Estado nas empresas, nas escolas, na vida em geral. Poderia ser que ajudasse a curar, ou pelo menos a diminuir os sintomas destes doentes.

No final só me resta dizer: "Inspira, expira, relaxa... inspira, expira, relaxa...inspira, expira, relaxa"


Não é uma ilusão!