quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Borracha

Escrevi cada palavra e cada frase com o lápis da dor e da amargura, li e reli todos os parágrafos até ao dia em que encontrei a borracha do perdão e da paz interior.

Foram dias, meses e anos mergulhada num mar profundo e escuro, a viver num tempo que já não o era, numa permanente recusa em partir o espelho que refletia o passado até ao dia em que...

...risquei o que me sugava a energia e não me permitia ser eu mesma; risquei tudo menos a aprendizagem obtida através de cada palavra, frase e parágrafo.


Sem comentários:

Enviar um comentário